quarta-feira, 16 de abril de 2008

Gravitation


Eu tenho, em minha casa, um quarto que me serve de escritório, com uma computador e uma pequena biblioteca. Às vezes, quando venho para cá, meu filho me acompanha, e pega alguns livros que ele folheia, sem ainda entender o que está neles. Às vezes, ele me pede para escrever "letrinhas" no computador, e às vezes ele me pede para explicar as figuras de algum livro para ele.

Na semana passada eu peguei, para tirar umas dúvidas, um livro grande, pesado, de mail de mil páginas, capa negra com uma maçã e uma lupa desenhadas em branco. Meu filho, curioso, quis folhear o livro, que não tem muitas figuras, e nele encontrou uma foto de Einstein, que ele me mostrou, alegre por encontrar algo familiar: "Pai, olha!".

É, meu filho, que ainda não lê, e que usa fraldas, reconhece Einstein.

É um contraponto meio cruel para o quase silêncio que a imprensa brasileira deu para a morte de um dos autores do livro que eu peguei, John Archibald Wheeler. Ele não era Einstein, mas, para alguns era um dos "últimos titãs a caminhar na Terra" - só para constar, foi o criador do termo "buraco negro". Não sei se há ou houve no Brasil alguém como ele, de tanta importância científica. Talvez daí o quase silêncio (ainda bem que existe a internet...).

Espero que meu filho cresça sabendo distinguir as coisas. Ao menos pretendo deixar para ele esta bibliotequinha...

(imagem: Gravitation, o livro, que, salvo engano meu, não teve e acho que nunca vai ter tradução para o português - em tempo: na wikipedia, o verbete em português sobre Wheeler é pífio, em comparação com a versão em inglês)

3 comentários:

Cafonso disse...

Não a queres editar, a entrada sobre o Wheeler na wikipedia

Dedalus disse...

Não é uma má idéia: só preciso sentar alguns momentos, respirar fundo, ler um bocadinho e resumir o que li. Fica, então, como uma das minhas tarefas da semana...

Free porn disse...

Não sei se há ou houve no Brasil alguém como ele!