terça-feira, 13 de outubro de 2009

Tolerância



Li num outro blog que Maitê Proença está passando por "problemas" com os portugueses, por conta de um quadro com ela num programa de TV (que eu acho muito chato).

Bem , o que eu lembro de Maitê Proença? Eu me lembro da Playboy com ela, que tinha um caderno especial com fotos em preto e branco, sendo que uma mostrava o pé da moçoila. Eu me lembro de Dona Beija. Eu me lembro do Mário Quintana babando. E eu me lembro de um filme brasileiro, "Tolerância", que no site do imdb recebe uns poucos comentários, sendo que há um que diz "Tolerancia is a movie so bad, you cannot help laughing most of the time".

Eu lembro que no filme um pequeno proprietário de terras (ou um sem-terra, já não me lembro mais) é assassinado num crime comum (um assalto) que, bem, o filme faz entender que não era crime comum coisa nenhuma, mas sim uma encomenda bem disfarçada. Ou seja, o filme mostra que é plausível disfarçar crimes encomendados como crimes comuns, se você for esperto o suficiente.

O que eu quero dizer é que às vezes um charuto é só um charuto mesmo, mas isso quer dizer também que às vezes é algo mais. Eu, que sempre tive dificuldades com mentiras, e desconfiado por natureza, prefiro estar pronto para qualquer coisa, mesmo sabendo que o charuto é, na enorme maioria das vezes, apenas um charuto. Enfim, sei lá.

(imagem: um charuto, da wikipedia em espanhol - dá para reconhecer a imagem de fundo?)

2 comentários:

Ricardo Chicuta. disse...

Eu me lembro da Maitê nua em cima de um cavalo.A mulher deve ter uns 150 anos e ainda esta linda.Os Portugueses nunca foram muito espertos...

Dedalus disse...

Caro Ricardo,

Pois é: a Maitê nua no cavalo encarnava a Dona Beija. Ela era linda, mas acho que quanto à esperteza, ela, nós, brasileiros, e os portugueses não temos muito que comentar.

Um abraço!