domingo, 21 de setembro de 2008

Ensaio sobre a cegueira


Domingão é dia de almoço na casa dos meus pais. Lá sempre tem o Estadão, que geralmente me diverte muito. Hoje, por exemplo, fiquei sabendo que morre 1,3 motoboy por dia em São Paulo. Ou que 12% dos cremes e condicionadores pós-banho do mundo são vendidos no Brasil. Ou ainda que 98% das mulheres brasileiras usa ou usou recentemente tinturas para o cabelo. Que uma menina de cinco anos, trabalhando como modelo, consegue ganhar até 15 mil reais por mês, e que a mãe de uma dessas misses infantis confessa que a filha não sai de casa sem retocar o gloss. Espantado, eu nem consegui chegar na parte de resenhas literárias, que é o melhor do jornal de domingo...

Durante o almoço, eu fiquei me perguntando: quem precisa tanto de motoboys? Na história de um dos rapazes mortos li que ele largara um emprego fixo por ganhar mais como motoboy. Será que valeu a pena, no final?

Outra pergunta: quem consome tanto creme e tintura? Será que são aquelas mesmas pessoas que não lêem porque o preço dos livros é alto demais? Bem, eu deixei de ser farmacêutico-bioquímico em parte por odiar fabricar e vender cosméticos, que sempre achei em sua imensa maioria, fúteis e desnecessários. Parece que me falta sensibilidade.

E, enfim, o que é gloss?

Comi a sobremesa concluindo que o fútil e desnecessário, no fim, sou eu, com essas perguntas inúteis.

(imagem: um tubo de rímel, que lá fora, em inglês e francês, é conhecido pelo nome - mais apropriado? - de mascara; segundo a wikipedia em português - não achei a definição de gloss lá - esse produto é "utilizado especialmente pelo sexo feminino, tendo como finalidade de valorizar o olhar e também proporcionar um visual sofisticado e requintado".)

6 comentários:

Eduardo disse...

Concordo com a necessidade de incremento nas vendas de livros, mas preciso dizer que beijar uma boca com gloss é uma experiência assaz aprazível...

E se tu tiver uma filha, ela vai ser criança até a idade apropriada, sem que seja colocada para ganhar dinheiro pra mim.

Beatriz Vieira disse...

Creio que com relação aos livros.. isso é gral.
As pessoas querem incrementar mais a "embalagem" com tinturas, cremes, e tantos outros cosméticos porque se importam mais com APARÊNCIA.
Eu também sou bastante vaidosa, mas meus livros tem mais valor para mim que meu gloss.
abraços
apareça lá no CARTAS AO AVESSO

Malena disse...

Sobre os motoboys, uma vez ouvi que é pela adrenalina. Muita gente faz muita coisa estranha por isso.
Bjs

Dedalus disse...

Caro eduardo, se gloss fosse tão bom assim, as mulheres exigiriam que nós homens usássemos para beijá-las...

Cara beatriz, segundo um antigo poeta, "as feias que me perdoem, mas beleza é fundamental". E a leitura que as pessoas fazem é essa mesmo: leitura das aparências.

Cara malena, só não entendi a mudança de seu blog: é uma dessas coisas feitas por adrenalina?

Malena disse...

Não houve mudança: está lá, os textos tb, a cara é a mesma.
;-)
Bjos

Camomila disse...

Gloss tem gosto ruim, assim como batom. Detesto.
E seu blog é muito bom.