quarta-feira, 18 de junho de 2008

Cosmos


Quando criança eu não sabia o que eu queria ser. Ou melhor, sabia, mas daquele jeito de criança: eu queria ser um dos tripulantes da nave Enterprise, do seriado "Jornada nas Estrelas".

Mais recentemente, há cerca de seis meses, eu comprei uma casa, velha, e passei a mudar minhas velharias para lá. Na casa de meus pais ainda havia uma caixa com coisas minhas, entre as quais, para meu espanto, havia um caderno de minha 4a. série. Numa das páginas finais, eu li o que escrevi então: "eu não quero ser médico". Ou seja, com menos de dez anos, eu sabia o que não queria ser.

Nas caixas que acabei de abrir encontrei um livro que comprei com defeito - algumas das primeiras páginas em branco - no centro velho de São Paulo, numa livraria que acho que nem existe mais, quando eu tinha uns dezesseis anos (ou menos). Que livro? "Cosmos", de Carl Sagan. Passei noites de domingo acordado, esperando o final do Fantástico para acompanhar a série e viajar num dente de leão pelo universo!

Taí: Carl Sagan foi um cientista que marcou minha vida. Primeiro "Cosmos", depois "Os Dragões do Éden", depois o magnífico "O mundo assombrado pelos demônios"... Eu tenho o filme "Contato" em DVD, e o dei de presente para meu pai, o indico a meus alunos. E eu comprei a série Cosmos, lançada em banca de revistas como uma série de 5 DVDs, mas perdi um número: eis aí outras páginas em branco...

Não, eu não me esqueço das imagens quase surreais do universo, da comparação entre o nosso cérebro e o dos outros animais, da história da sobrevivência dos caranguejos com rostos nas costas, da simples idéia de que um dragão que não pode ser detectado, na verdade, não existe...

Hoje, dou palestras e aulas para lembrar as pessoas de que o universo é grande, e que pode haver muita vida por aí afora, e de que há muita vida ao nosso redor com a qual devemos ter cuidado, e acho que somando todos esses momentos eu não emano nem uma centelha da luz que Carl Sagan emanou.

Acho que se eu pudesse dar minha vida para que Carl Sagan continuasse a dele, o mundo dos homens sairia ganhando.

(imagem: o autor de "Cosmos"; essa postagem faz parte da blogagem coletiva “Um cientista na minha vida”, que você pode acompanhar, por exemplo, em Brontossauros em meu jardim e Rainha de Copas)

3 comentários:

Igor disse...

Sagan tinha o tipo de personalidade que fazia você querer fazer a mesma coisa que ele.
Eu tenho quase todos os livros, menos aquele último (uma coleção de palestra, acho), mas não tenho nada em vídeo...
=¦¤/

Carlos Hotta disse...

Dedalus, te coloquei lá na Blogagem Coletiva!

KNX disse...

Variedades da Experiência Ciêntifica.


Coletânea de palestras proferidas nas ultra-prestigiosas Gifford Lectures, em Edimburgo. O nome do livro remete às "Variedades da Experiência Religiosa", que foram as Gifford Lectures de William James, 1902.

:-)