sábado, 8 de novembro de 2008

Mangá - Como o Japão Reinventou os Quadrinhos


Na verdade, na verdade, desde minha infância meu sonho era ter um robô igualzinho a mim guardado dentro do armário, que tomasse o meu lugar de vez em quando, enquanto eu iria ler gibis e ver desenhos na TV...

Se eu soubesse o que me esperava, eu nunca teria querido crescer. Ou teria nascido um gato.

(imagem: minha infância)

5 comentários:

Ana Paula disse...

Meu gato Antônio, sábio e erudito, mandou dizer que vida de gato é bastante solitária...é a sina deles, memso que queiram estar acompanhados, fingem-se de auto-suficientes...As vezes o Antônio só quer ter alguém pra tomar uma cerveja...

Dedalus disse...

Cara Ana Paula,

Mas o que eu acho mais interessante dos gatos é justamente a atitude, a postura deles: mesmo quando carentes e solitários, a pose ainda é "cool" e chique demais... Já quanto a querer tomar cerveja com alguém, o Antônio deve estar mesmo certo: eu tento fazer isso com os amigos quase toda semana.

Um abraço!

Camomila disse...

Gatos...
o daqui de casa, quando quer companhia, mia alto que ninguém agüenta. Esse não passa necessidade.

Malena disse...

Gato é a inspiração divina no seu melhor momento. :-)

Dedalus disse...

Cara camomila,
Infelizmente eu não mio muito bem, e o mais parecido que consigo é cantar debaixo do chuveiro...

Cara malena,
Concordo 110% (por isso mesmo eu preferia ter nascido gato): onde é que eu assino?