domingo, 8 de março de 2009

Os moedeiros falsos


Como professor, sou procurado por muitos alunos que buscam saber minha opinião sobre isso ou aquilo. Por exemplo, certa vez vieram à minha sala dois alunos com uma lata de alumínio, dessas de refrigerante, umas pilhas, uns ímãs, um CD e um pedaço de cartolina, dizendo que não conseguiam reproduzir um experimento que tinham encontrado no YouTube: "onde erramos?" Pedi que me mostrassem o experimento e, bem, o erro estava na capacidade deles de entender o que é ciência e o que não é - o suposto experimento era só um truque de mágica, filmado para parecer um experimento científico (infelizmente, não tenho mais o link do vídeo...).

É fácil enganar as pessoas: a maioria de nós - eu inclusive - não consegue mesmo discernir o falso do real em um grande número de situações. E especialmente quando há alguma emoção envolvida, ou quando existe um desejo de acreditar, aí é que fica difícil. Mágicos e políticos são profissionais que se aproveitam dessa característica humana, e a religião é totalmente fundada nessa qualidade, que é a credulidade.

A ciência, pelo contrário, tem que ser baseada no ceticismo. Um cientista tem que ser questionador, por necessidade. Sem perguntas e questionamentos não se descobre nada de verdadeiro. Pois bem, toda essa introdução eu faço para apresentar um exemplo de um questionamento necessário, cuja resposta achei muito boa. Segue então um texto, que não comentarei, pois ele fala por si mesmo, que foi retirado do blog n-Dimensional, que é um dos blogs que mora no condomínio Lablogatórios.

"Renan queria uma opnião tua sobre o documentario e o livro, “quem somos nos”.
Alguns professores meus falam de uma forma tao apaixonada que eu nunca tive coragem de assistir, assim uma opnião de alguem que eu não conheça mas admire os textos seria bem interessante. Um grande abraço"
"Renan Reply:

Olá Eduardo.

O “Quem Somos Nós” é simplesmente uma propaganda de seita travestida de documentário. Em poucas palavras, o “documentário” se utiliza de conceitos das Mecânica Quântica e outras partes “exóticas” da Física e extrapola os resultados de forma a fazer parecer que a Física apóia as idéias desta seita.

Tudo que você precisa saber sobre o documentário está no Guia em três partes do blog O Dragão na Garagem.Clique aqui.

Adiantando um pouco, para você ter uma idéia da “honestidade” dos produtores do documentário, um dos entrevistados que é Físico deu a entrevista dizendo que não apoiava as idéias da seita. A entrevista foi editada para parecer que ele as apoiava.

Abraços!"


(imagem: medidas anti-falsificação em uma antiga nota de 20 dólares; poucos sabem, mas Isaac Newton trabalhou para a Coroa britânica contra a falsificação de dinheiro e levou à forca alguns falsificadores; e o título desta postagem é uma homenagem a um romance de André Gide, cuja "obra articula-se ao redor da busca permanente da honestidade intelectual")

2 comentários:

L. Felipe A. disse...

Uma das únicas áreas do conhecimento onde realmente se questiona algo, no sentido de testes e provas... o que mais ouço na cadeira de filosofia que estou fazendo é as pessoas falarem:" tem de ser questionador e etc..." mas duvido muito que nas outras areas se questionem tanto assim, por q ate mesmo na ciencia, nao e so questionando que se movimenta, é como uma regra tácita...

Abraços Dedalus

Dedalus disse...

Caro L. Felipe A.,

As pessoas são pessoas, não importa onde elas estejam. Na ciência mais "hardcore", ligada diretamente à experimentação, também é de praxe não questionar demais. A autoridade, hoje, ainda tem um peso muito grande, quase igual ao que acontecia com Aristóteles na Idade Média... É bastante comum progredir na carreira se associando a alguém - e a alguma "escola" - ao invés de pensando por si mesmo.

Um abraço!