sábado, 13 de março de 2010

O que é ciência, afinal?


Um amigo meu, que é um cientista de verdade, tem um blog, onde escreve alguns textos bem interessantes. No último que li, o parágrafo de encerramento, depois de uma longa argumentação, era
"Somos todos humanos. Dessa forma, criamos deuses, milagres e lugares inatingíveis pra aplacar um pouquinho da nossa insignificância."
Não pude deixar de notar que ele deixou de fora a maior das invencionices humanas, que prefiro não nomear. Só vou lembrar de um diálogo num filme, "Contato", baseado numa estória de Carl Sagan (agradeço ao imdb):
[Ellie desafia Palmer a provar a existência de Deus]
Palmer Joss: Você amava seu pai?
Ellie Arroway: O quê?
Palmer Joss: Seu pai. Você o amava?
Ellie Arroway: Sim, muito.
Palmer Joss: Prove.
Invenções intelectuais, há muitas, e nós acreditamos nelas, para não nos sentirmos tão pequenos. Eu, por exemplo, só consigo viver por amar a ciência. Dá para ser de outro jeito?

(imagem: detalhe de um quadro de Ângelo Bronzino, "Alegoria do triunfo de Vênus")

4 comentários:

Charles Morphy disse...

Caro Dedalus,
Obrigado pelas palavras!
Nossa maior criação e o eixo da vida de todos da nossa espécie é, de certa forma, um lugar inatingível, posto que sempre idealizado...
Abraço!

Dedalus disse...

Caro Charles,

Não precisava me agradecer pelas palavras: tenho delas de sobra - "words are flowing out like an endless rain into a paper cup."
Infelizmente, não sei se concordo que o amor é o eixo da vida de todos da nossa espécie. Acho que há, na melhor das hipóteses, amores e amores: uns amam o poder, por exemplo, e nada mais...

Obrigado pela visita!

Um abraço!

Gerson Avillez disse...

A ciência no estrito sentido da palavras carrega a conotação de conhecimento e por isso constantemente referido até por religiosos afinal na bíblia assim diz. Porém, a ciência dita secular pressupõe o empírico positivista de modo que seja sempre correspondente aos fatos, não sendo a ciência da fé, por exemplo, que pressupõe em acreditar em algo que não se prova ou se vê conforme você mesmo mencionou. Entretanto, sempre é digno de nota a visão do sagaz Sagan - com o perdão do trocadilho - do qual mesmo sendo ateu abriu margem diplomaticamente a tal discussão explicando como poucos a "visão" de Deus. Louvável.
Porém, num sentido a ciência dita religiosa jamais contraria os fatos mas se dipõe sobre eles tal como o sobrenatural dito por milagres! Bom post!

Dedalus disse...

Caro Gerson,

Obrigado pela visita e pelo elogio. Não sei se concordo que se possa falar em "ciência da fé", mas quando se tem fé, é bom ter ciência do que isso significa...

Um abraço!